A Experiência da equipe da SUDELPA durante o Governo Franco Montoro, em uma palavra: Boas Notícias seu Acir!

Escrevo com saudades para agradecer a experiência compartilhada com todos os nossos querido amigos Sudelpianos. Há cerca de 32 anos atrás vivemos entre abril de 1983 e abril de 1987 tempos com muita energia, dedicação, trabalho e lutas para o desenvolvimento sustentavel do litoral paulista na extinta SUDELPA – Superintendencia de Desenvolvimento do Litoral Paulista. Muita criatividade e amigos. Uma vida em 4 anos no inicio da redemocratização e do movimento ambientalista no país durante o governo Franco Montoro. Homenageando as figuaras dos nossos lideres e amigos José Eduardo Raduan, Roberto Villanova e Elias que já nos deixaram, e também o Tônico Alonso e toda a querida turma do Vale do Ribeira e o Euclides Vigneron (Zizinho). Evoé Sudelpianos!
Tínhamos como apoio feras como a inesquecível ambientalista Judith Cortesão, Aziz Ab Saber, Plinio Sampaio, Telejinski, José Milton da PPI, Martinus Fillet, e tantos outros consultores e amigos…..
Foram muitos trabalhos de grande relevância. Cito alguns que considero muito importantes: A elaboração e assinatura do Convenio São Paulo – Paraná para a Preservação do Lagamar e o seu respectivo Plano de Desenvolvimento Sustentavel, a desapropriação por troca do Núcleo Picinguaba entre o GESP e o INPS para criação do núcleo e a preservação de Picinguaba, o Plano de Regularização Fundiária no no Vale (plano coordenado pelo saudos Plínio de Arruda Sampaio). a Recuperação da Matriz de Iporanga pelo Clayton Lino, ea Implantação do Núcleo do PETAR, o primeiro EIA independente em 1983 para impedir a derrubada da barragem do Valo Grande e para a Proteção do Lagamar por toda a equipe, a criação da Gestão da Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape por nossa iniciativa e da Guerreira Judith Cortesão, A criação da APA de Ilha Comprida, O primeiro Macrozoneamento e o Gerenciamento Costeiro do Litoral Norte e Sul com o Martinus Fillet e equipe da Diretoria de Recursos Naturais, a elaboração dos Zoneamentos e dos Planos de Gestão das APAS paulistas na SMA, O Estudo da Bacia do Pircaicaba, a preservação do Jacaré Pepira,…..e muito, muito mais, realizados depois na SMA. Digo com certeza que vivemos 50 anos em 4anos!
Esses três últimos projetos já foram realizados na Coordenadoria de Planejamento Ambiental da Cetesb, mas quase com a mesma equipe que foi trnsferida para lá com o apoio do querido Secretario Jorge Wilheim.

Mas tem outros como os trabalhos para regularização dos conflitos de terra e a demarcação das aldeias Guarani pelo  Grupo da Terra, o apoio às comunidades pesqueiras artesanais pelo Grupo da Pesca, o apoio às comuniaddes tradicionais pela Equipe Social com a equipe da Viena e com o consultor Antonio Carlos Diegues como consultor e a realização de inúmeras pequenas obras de engenharia e o primeiro programa de recuperação das estradas vicinais para apoiar os produtores rurais e apoiaa a população litorânea com o João Alberto Viol e sua equipe!
Na área fundiária e social organizamos sob a liderança do Roberto Villanova e Tonico Alonso a primeira grande manifestação pela Reforma Agrária em 1985 organizada no Vale é Litoral Sul com mais de 20 mil trabalhadores rurais sem terra! É demos todo o apoio total ao Consema que era especial e para a criação da Secretaria do Meio Ambiente, ainda especial. Éramos o seu braço técnico, com o primerio Secretario Especial José Pedro De Oliveira Costa.
Nasceram da SUDELPA grande parte da SMA: Coodenadorai de Planejamento Ambiental , parte do IF e da Fundação Florestal, e ainda o Instituto de Terras.
Viva Franco Montoro, Chopin Tavares de Lima, José Eduardo Raduan, Roberto Villanova e tantos outros!11349107_10153669949633945_2081651519_n

Song of the Worms

Notes from Underground

A poem by Canadian poet Margaret Atwood. I ran this years ago in Red & Black Notes. Recently, I was reminded of it.

We have been underground too long,

we have done our work,

we are many and one,

we remember when we were human

We have lived among roots and stones,

we have sung but no one has listened,

we come into the open air

at night only to love

which disgusts the soles of boots,

their leather strict religion.

We know what a boot looks like

when seen from underneath,

we know the philosophy of boots,

their metaphysic of kicks and ladders.

We are afraid of boots

but contemptuous of the foot that needs them.

Soon we will invade like weeds,

everywhere but slowly;

the captive plants will rebel

with us, fences will topple,

brick walls ripple and fall,

there will be no more boots.

Meanwhile we…

Ver o post original 20 mais palavras

Urbanismo em pedaços. Cidade sem memória e política antihumanista

Com o seu conhecimento profundo, o professor Cândido Malta Campos coloca a nu a política urbana anti-humanista, populista e pseudo modernista da prefeitura de São Paulo. O Plano Diretor aprovado em 2014 (PDE) com os eixos de transformação urbana já em execução estão colocando em risco os bairros de São Paulo, com uma abertura já em curso para a verticalização e adensamento intensivos que não levaram em conta os impactos ambientais e urbanísticos, e a capacidade de suporte dois meios de transporte de massa. Já estão provocando, em bairros como a Vila Madalena, Vila Mariana e Butantã graves impactos ambientais. Um novo modelo de urbanismo de arrasar quarteirões e para criar não lugares…… Agora, com o projeto do novo zoneamento, traz além disso os corredores de comercio e serviços, colocados de forma atabalhoada na nova proposta que atingem 17 Subprefeituras, que pretende completar essa obra desastrosa que prejudicam os bairros jardins e as áreas verdes da cidade. E ainda temos por ai as as famosas Operações Urbanas que virão na próxima etapa: O projeto chamado “arco do futuro” que pretende gerar uma alta verticalização e adensamento nas vázeas e planícies do rio Tietê e Pinheiros e colocam a sustentabilidade urbana da cidade sob um risco maior do que o já existente: enchentes e escasses de água, ilhas de calor e gazes do efeito estufa. Um zoneamento em fatias, a serviço do mercado imobiliário, das grandes empreiteiras e da associação comercial, mas que não atende as associações de bairro e os movimento da população moradora que defendem a qualidade urbana e ambiental da cidade. As ciclovias e as faixas de ônibus são importantes, mas não compensam os impactos desse projeto pretensamente “visionário” e antihumanista.

http://blogs.estadao.com.br/sonia-racy/o-que-e-preciso-e-levar-tranquilidade-as-periferias-nao-tira-la-dos-jardins/

Audiências Públicas do Zoneamento promovidas pela Câmara Municipal – Comissão de Política Urbana: Mudanças no Projeto de Lei?

Parece que a Prefeitura começou a aceitar alguma mudança na questão do Eixos de Estruturação Urbana, principalmente nos lugares nos quais tenho me posicionado como com grande risco de impacto urbanístico e ambiental. Tomará. Sugiro verem o material postado pelo vereador Police Neto após a AP de Pinheiros, que reproduzo abaixo. Fiquei esperançoso
“Prefeitura avalia rever alguns

zoneamentos no entorno de estações de metrô

Extremamente importante a audiência pública de ontem sobre o zoneamento da região de Pinheiros. Ficou claro para mim e também para a Prefeitura que o entorno de algumas estações de metrô não comportam uma Zona de Estruturação Urbana (ZEU), aumentando o potencial construtivo para até 4 vezes a área do terreno. Esta mudança implicaria na construção de edifícios de grande porte e adensamento populacional. Um dos exemplos é o entorno da Estação Vila Madalena, que fica colada a um bairro residencial de casas que já vem sendo destruídas para dar lugar a prédios antes mesmo do novo zoneamento ser aprovado. Outra área que pode ser revista é o entorno de algumas estações da Vila Mariana. Apoiamos esta medida e estamos à disposição de quem precisar de ajuda neste sentido.”

Segue o link da câmara municipal sobre a Audiência Pública de Pinheiros:

http://www.camara.sp.gov.br/blog/moradores-de-pinheiros-questionam-permissao-comercial-em-algumas-areas/#comment-4322

Para saber mais, acesse o mapa da Lei de Zoneamento:

http://www.camara.sp.gov.br/mapa-lei-de-zoneamento/